terça-feira, 7 de outubro de 2008

Newton Navarro – o pintor que virou ponte

galeria de arte de Natal com o painel de Newton Navarro


“Eu não acho cidade mais bonita que Natal, nem rio mais bonito que o meu rio. Eu vi uma vez o Sena. Achei uma porcaria. Vi também o Tejo e achei também uma porcaria. Mas o Potengi não. Que azul! E os morros que protegem a cidade?E as madrugadas? E as estrelas da manhã? Só em Natal tem essas coisas. A estrela repetida no forte da pedra...Uma cidade coberta de elísios, embalada pela canção dos pescadores, enfeitada de um lado e de outro, rio e mar, pelos azuis e verdes e pelas jangadas. Que cidade maior e melhor? Não existe. Nenhuma. (NAVARRO, 1974).


o pintor que virou ponte

Dia 8 de outubro é o aniversário de nascimento do nosso Newton Navarro. Sua memória esta preservada na ponte forte redinha. Um resgate da memória daquele que amava a nossa cidade e sua cultura, em especial o rio Potengi. Uma ponte cara, que custou (R$ 196 milhões) aos cofres públicos. Uma egípcia, faraônica ponte, a ponte de todos Newton Navarro. (Natal/RN-Brasil).
A memória de Navarro sempre foi lembrada por nós, os pintores da cidade. Sua pintura é uma escola única (referência). Seus temas, sua linguagem, suas cores, seu material. Que riqueza nós temos. A observação de sua obra é aula obrigatória na formação de qualquer pintor.
Vale lembrar que não somente pela ponte, que com o tempo será chamada por um apelido qualquer, como já ocorre. Ponte vazia, ponte ipioca, etc... Newton deve ser lembrado principalmente por sua obra que é faraônica em qualidade. Multimídia. Numa época que nem se usava o termo. Sua preservação também resgata os que estão esquecidos. O grande pintor e poeta natalense Moura Rabelo (anterior a Navarro) é um exemplo. Pintor realista, produziu uma obra grandiosa. Hoje encontra-se espalhada pelo Brasil. Somente uma parte dela adormece no acervo de nossa Pinacoteca. Moura Rabelo é uma vítima do esquecimento, do "elefante sem memória" .
Navarro nasceu no dia 08 de outubro de 1928, hoje estaria completando 80 anos, faleceu em 1992. Não cheguei a conhece-lo pessoalmente, com 22 anos ainda não acreditava na arte. O folclore do beco da lama foi quem me apresentou Navarro. Essa mesmas estórias narram que o artista ficou triste após a destruição da galeria de arte do Natal. A galeria funcionava na praça André de Albuquerque, nela estava hospedada um belíssimo afresco de Navarro. Ela foi destruída pelo regime militar e Newton, depois disso, nunca mais foi o mesmo. Isso é o que diz o folclore cantado pelas ruas da boêmia do centro histórico da cidade. Que ironia! Homenageado após a morte, violentado em vida. O palco de todo esse drama foi Natal. A cidade que ele escolheu, habitou. Tanto adorou. Seu lugar afetivo, palco de sua boêmia, de suas aquarelas, poesias e dramaturgias.
Natal sem Newton continua cada vez mais franciscana no que diz respeito a arte. É um meio ruim para o fazer artístico. Na verdade, até hoje estamos sem uma galeria arte, sem um museu de artes plásticas, sem espaços público para arte.
Se estivesse vivo, Newton Navarro Bilro, ia testemunhar uma cidade sem utopias, entregue ao concreto, forte na sua imagem visual, fraca na sua concepção ideológica.

serrão .



5 comentários:

Potiguarando disse...

Bela lembrança, belo texto!
Não tive a grata oportunidade de conhecer Navarro, apenas parte de sua obra. Na antiga AS Livros, há muito tempo, adquiri vários postais de Navarro e ainda hoje os espalho pelo chão e fico admirando, como criança, a minha coleção de imagens preferidas.
Não conheci Navarro, mas conheço Serrão, Léo, Dunga, Plínio, Valderedo, Marcelo Fernandes, Marcelus Bob, Dorian, dentre outros que valem tanto quanto o nosso querido Newton... quanto

Cefas Carvalho disse...

Ótimo texto, Serrão! Muito bom blog. Parabéns!

Orf disse...

Oito de outubro tambem lembra a morte de Che e os 30 anos de nascimento do meu filho Tiago, belo dia para homenagear Navarro tomando umas lá do outro lado da Ponte que leva o nome dele. Texto muito bom, Serrote, adelante camarada!

Geraldo Maia disse...

Amigo Serrão,
Esta é mais uma iniciativa iluminada que você produz. Além do Esquina do Beco, o Sobarte complementa e dá vez a outras criações artísticas.
Parabens e muito sucesso.
Geraldo.

serrão disse...

obrigado amigos, josé é muito gentil.só lembrando que meu aniversário é dia 07(foi ontem). um abraço geraldo.